Meio de informação e divulgação, aberto à iniciativa e participação da comunidade, procurando difundir a actividade local entre 22 de Junho de 2007 a 1 de Outubro de 2013. Obrigado a todos os 75.603 leitores.

Igreja Românica S. Gens de Boelhe (M.N.)
09
Fev 13

 
 
Boelhe - O comer do meio-dia de um trabalhador rural
 
Ao longo da história portuguesa foram muitas as formas de perseguição a intelectuais. A prisão e a morte foram também frequentemente o castigo de quem ousava expressar aquilo que pensava, contrariando o discurso oficial do Estado.
 
Durante o regime do Estado Novo, que institucionalizou um estrito controlo dos meios de comunicação, havendo a censura prévia dos periódicos, e a apreensão de livros. No teatro, na rádio (proibindo certos discos de serem passados), no cinema e mais tarde na televisão, a censura também se fez sentir.
O que é mais caricato, é que até os órgãos representativos da União Nacional, como era o caso do jornal de Penafiel “O Tempo” Órgão da Comissão Concelhia da União Nacional, que era composto e impresso na tipografia Minerva que existia no Largo da Ajuda n.º 35-37 nesta cidade, tinha que levar à censura prévia, os seus textos. 

 
 
Cabeçalho do jornal "O Tempo"

 
Acontece que naquele tempo para se retirar um texto censurado por outro, demorava tanto tempo, que impedia o jornal de sair a tempo e horas para os seus assinantes. 
À conversa com uma pessoa que trabalhou nessa tipografia, contou-me como fintavam nestes casos a censura.
Enquanto o jornal ia e vinha da censura prévia, a impressão do mesmo não parava, sendo esses exemplares quando eram censurados enviados para os assinantes das freguesias.
Depois, ou o texto censurado era de rápida solução (mudar apenas uma frase), ou caso contrário retirava-se o artigo, e nesse espaço metia-se um “chaço”, que podia ser um reclame a qualquer firma, ou um simples desenho.
Um dos jornalistas penafidelense que sentiu o lápis azul (símbolo da censura porque, os censores do Estado Novo usavam um lápis de cor azul nos cortes de qualquer texto, imagem ou desenho a publicar na imprensa), nos seus textos, foi  Antony Guimarães.
Certo dia, enviou um texto acompanhado de uma foto, para o semanário da diocese do Porto, “Voz Portucalense”, pensando ele que por se tratar de um jornal ligado à igreja, o mesmo ia ser publicado na íntegra. Engano seu.
Aqui fica o texto enviado:
 
O comer do meio-dia
"Mesa de pedra dura, que também serve de banco; calças remendadas de homem de trabalho, que trabalha em mangas de camisa sob sol escaldante, com o suor a escorrer pelas faces tisnadas.
Trabalhador que, ao soar o meio-dia, sai alquebrado e exausto e nem uma mesa tem para comer. Corre uma brisa refrescante, que ainda mais o entorpece, o desalenta.
Uma malga de caldo mal adubado, o presigo; vieram de longe, dentro de uma cesta, tudo coberto com uma toalha alva de neve.
Foi uma criança que trouxe aquilo, veio a correr, a saltitar, a cantarolar.
O avô ficou mais contente ainda por a ouvir na cantiga do costume, contentamento que não existia, o trabalho duro não deixa sorrir, só uma criança fazia o milagre…
Comeu, meditou e voltou ao trabalho. Assim até à noite, todos os dias…
Tudo é trabalho, responsabilidade! Cabelos brancos…" 
 
Como o mesmo foi publicado na "Voz Portucalense" 

 
 
Texto publicado no jornal "Voz Portucalense"
 

O mesmo foi cortado, e quando pediu “explicações” à Voz Portucalense, levou por resposta o seguinte:
"O Director da VP cumprimenta V. Ex.ª, agradece a gentileza, mas informa que não deixaram passar o seu comentário os crivos oficiais…
21 de Julho de 1970" 
 
Embora o penafidelense Antony Guimarães, fosse especialista em escrever nas entrelinhas, por vezes não conseguia fintar a censura, como foi o caso deste simples comer do meio-dia.
posted by Fernando Oliveira in http://penafielterranossa.blogspot.pt/
publicado por a nossa terra às 08:12

pesquisar neste blog
 
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


23



links
Força Portugal!
badge
blogs SAPO