Meio de informação e divulgação, aberto à iniciativa e participação da comunidade, procurando difundir a actividade local entre 22 de Junho de 2007 a 1 de Outubro de 2013. Obrigado a todos os 75.603 leitores.

Igreja Românica S. Gens de Boelhe (M.N.)
09
Mai 13

 

Participe!

 

Memórias presentes

 

“Na meia encosta da Serra do Esporão espreguiça-se, serena, esta povoação, observada de longe pelo Marão e abençoada por um rio, outrora arrebatado, que agora adormece nos braços do Douro, sossegado. 

Levanta-se o tempo passado e tudo se entrelaça para servir de aposento ao homem.

Aqui se instala, domestica animais e paisagens, descobre a agricultura, constrói monumentos e transforma em objecto de culto gigantescas pedras onde crepitam preces antigas. Santificam-se os lugares. 

Abre-se o aposento de outro tempo. Num vale protegido dos ventos e abundantemente enxaguado, erguem-se casas de pedra, algumas rectangulares, rodeadas por um corredor de entrada, serventia de romanos que se acolhem lá dentro. 

Aparece então, sobre um pequeno esporão da encosta norte que preside à confluência do rio Tâmega no Douro, o local da "civitas de anaegia" integrada numa das paisagens mais tradicionais das margens do Tâmega. 

Abeirados pela descida, toda uma vida trépida no ousado desmascarar do passado” (…)

 

Rio Tâmega

 

Nasce na Serra de San Mamede, província de Ourense (Galiza), faz a fronteira entre o Minho e Trás-os-Montes, corre por entre as serras do Barroso e do Alvão, desagua em Entre-os-Rios, no Rio Douro.

 

Afluentes:

. Rio Bessa, em Ribeira de Pena

. Rio de Cavez, em Cabeceiras de Basto

. Ribeira de Moimenta, em Cabeceiras de Basto

. Rio Ôlo, em Amarante

. Rio Odres, em Marco de Canavezes

. Rio Ovelha, em Marco de Canavezes

. Ribeiro de Perosinho, em Penafiel

 

Estes percursos locais ligavam as terras baixas e férteis às quentes margens do Tâmega. No Verão, instalavam-se no rio os moinhos temporários que serviam os lavradores e os moleiros, dada a água em volume e força para fazer mover os rodízios. 

Estes difíceis caminhos de ligação ao Tâmega eram então intensamente percorridos por lavradores de toda a região, gerando nos meses de estio um movimento contínuo de transporte de grão e farinha, mas também de linho, que ali vinha a maçar nos engenhos instalados nas várias paredes e açudes que pontuavam o rio: em Abragão, Luzim, Boelhe, Passinhos, Barco do Souto e Rio de Moinhos. 

O papel do Tâmega na nossa economia foi fundamental, não só pelo aproveitamento da força motriz que as suas águas proporcionavam, mas também pelo pescado que dele se recolhia, sobretudo o sável e a lampreia, nas diversas pesqueiras e pesqueirões espalhados pelas suas margens, cuja propriedade e direitos foi desde a Idade Média alvo de atenção especial e de disputa por parte de mosteiros, nobreza e Coroa.

 

Mexa-se, caminhe pela sua saúde!

 

Convidamos o visitante a percorrer este itinerário desfrutando da paisagem envolvente, revivendo memórias de labores passados e apreciando o património vernacular e arqueológico local, que a todos pertence, mas às gentes do Tâmega confiadas, contribuindo assim a sua preservação e divulgação, mantendo viva esta memória colectiva.

 

Caminhada pelo Património Rural

 

Os participantes são convidados a percorrer um itinerário pedestre compreendido entre a Serra do Esporão e a albufeira do Tâmega, descendo a encosta em direcção à Quinta de Lameirões.

Podendo observar, fotografar e registar as várias espécies arbóreas e arbustivas, prados verdejantes e aromas característicos da Primavera, será reservando tempo e espaço para um convívio das comunidades com diversas actividades e jogos tradicionais, seguido de um workshop “PROVE” sobre produtos agrícolas e hortofrutícolas. 

A Quinta de Lameirões, situada na freguesia de Boelhe, concelho de Penafiel explora uma área aproximada de 5,2 ha predominantemente florestal e hortofrutícola. Esta exploração agrícola familiar, situada junto da Albufeira da margem do rio Tâmega, espaço de esplendorosa paisagem e serenidade, cujos principais cultivos são a vinha, hortícolas ao ar livre e diversos cereais, está também associada, à Rota dos Vinhos Verdes pela qualidade dos vinhos produzidos. 

Esperamos que este périplo fique positivamente gravado na memória de todos e desperte a curiosidade do visitante para outros percursos, igualmente ricos, que a região do Tâmega e Sousa tem para lhe oferecer.

 

Interesse: Patrimonial, paisagístico, rural, ambiental

 

 

Ida

Regresso

Extensão

3 km

2 km

Duração

2 horas

1,30 horas

Grau de dificuldade

fácil

moderado

 

Programa

 

13,30 horas | Concentração no Largo da Igreja da freguesia de Boelhe, concelho de Penafiel (será assegurado o transporte de lancheiras, mantas, almeiros, merendas ou outros alimentos)

 

14,00 horas | Início da caminhada

. Igreja Românica de S. Gens (M.N.)

. Moinho Cisterna do Passal da Paróquia

. Largo da Arca (Parque Urbano)

. Samardã de Baixo (panorâmica sobre o Marão)

. Calçada e Largo do Calvário

. Carvalhinhas (Alminhas)

. Souto Velho (panorâmica sobre o Montemuro)

. Trilho pedestre de Perafita à Barrosa (Embolida)

. Reguengo (panorâmica sobre Paiva e Arouca)

. Barreiro (passagens de outrora)

. Percurso das águas até Molarinhas

. Barco do Souto (Rio de Moinhos)

 

16,30 horas | Piquenick ao ar livre partilhado na Quinta de Lameirões 

Conversa de tempos idos… memórias passadas. 

17,00 horas | Convívio das comunidades com jogos tradicionais (malha, corda, corrida sacos, cartas…) 

Workshop “PROVE” sobre produtos agrícolas e hortofrutícolas com visita a esta exploração local 

18,30 horas | Regresso por Aldeia, Passinhos, Alto do Casal, Eirô, Alminhas (Bairros), Mó e Igreja (em alternativa, disponibiliza-se transporte limitado até ao local de estacionamento de viaturas) 

Aconselha-se calçado adequado (sapatilhas), garrafa de água e… muita descontracção!

 

ProjectoBoelhe, Terra do Românico e Princesa das Artes e da Cultura 

PromotoresEquipa Pastoral da Família e Sociedade Civil 

ObjectivoInformar e sensibilizar a comunidade para a importância do seu património cultural e paisagístico, em aspectos como a sua conservação, preservação e divulgação da freguesia de Boelhe no contexto do itinerário arqueológico do Vale do Tâmega. 

ApoioQuinta de Lameirões e Freguesia de Boelhe

 

Participe, desfrute, venha (com)vi®ver na nossa região.

 

Convite aberto à participação cívica e mobilização da sociedade e Grupos de Acção Local.

Vertente Solidária: Eventuais donativos desta iniciativa serão destinados à acção da CÁRITAS.

 

url: http://boelhe.wordpress.com

 

Faça-nos chegar as suas fotos e histórias!

e-mail: anossaterraboelhe@sapo.pt 

 

publicado por a nossa terra às 18:06

pesquisar neste blog
 
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



29
30
31


links
Força Portugal!
badge
blogs SAPO