Meio de informação e divulgação, aberto à iniciativa e participação da comunidade, procurando difundir a actividade local entre 22 de Junho de 2007 a 1 de Outubro de 2013. Obrigado a todos os 75.603 leitores.

Igreja Românica S. Gens de Boelhe (M.N.)
29
Jul 13

 

Um dos assuntos mais preocupantes na actualidade

Várias pessoas morreram neste verão

© Todos os direitos reservados ao Grupo de Jovens de Boelhe

 

As lagoas, praias, piscinas e os rios podem proporcionar agradáveis momentos de lazer e trazer alívio para quem quer se refrescar num dia de calor.

Porém, alguns cuidados são importantes para que incidentes não ocorram.

É importante que as pessoas sempre tenham atenção com placas indicativas de locais perigosos para banho e que sempre procurem ficar próximos de áreas com guarda vidas.

Se isso não for possível, cuidados como não se afastar da margem e não mergulhar após as refeições ou ingestão de álcool é recomendado.

O álcool também é responsável pelos acidentes com trauma, como bater a cabeça em algo maciço por ter saltado de alguma elevação para dentro d’água.

O mesmo ocorre em acidentes com embarcações, acções de animais marinhos, desconhecimento do local de mergulho, excesso de confiança e a exaustão de nadadores.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, o afogamento é umas das maiores causas de mortes no mundo, juntamente com os acidentes de trânsito.

Sempre dizemos que água acima do umbigo já é um risco e as crianças merecem atenção redobrada.

Os pais ou responsáveis devem ficar de olho nos filhos independente da quantidade de água. Engana-se quem pensa que um grande volume de água é necessário para que haja o afogamento.

Uma pequena quantidade de água é suficiente para uma pessoa se afogar, e, geralmente, o afogamento acontece muito rápido e de forma silenciosa. Confiar em bóias de braço e cintura também não é uma prática recomendada.

Muitas vezes quem tenta ajudar uma vítima de afogamento acaba se afogando também. É preciso ter técnica e cuidado para esse resgate. Evitar o corpo a corpo para que o desespero não atrapalhe o salvamento.

Jogar bóias ou objectos flutuantes pode ajudar muito mais até que o socorro adequado chegue.

Por isso se poder prevenir previna pois mais vale prevenir que remediar.

 

Autor: Luís Queirós

in jornal “Villa Bonelli”, edição n.º 152 (Julho/Agosto de 2013)

 

publicado por a nossa terra às 18:50


perfil

4 seguidores

pesquisar neste blog
 
Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
20


28


links
Força Portugal!
badge
blogs SAPO