Meio de informação e divulgação, aberto à iniciativa e participação da comunidade, procurando difundir a actividade local entre 22 de Junho de 2007 a 1 de Outubro de 2013. Obrigado a todos os 75.603 leitores.

15
Nov 10

S. Martinho na comunidade educativa da freguesia de Boelhe 

S. Martinho na comunidade educativa da freguesia de Boelhe

Magusto

 

Durante a semana que antecedeu o S. Martinho, a Comunidade Educativa de Boelhe desenvolveu diversas actividades e trabalhos pedagógicos tendo como base a castanha e a Lenda do S. Martinho. O Magusto e a história da “Maria Castanha” não faltaram.

Apresentada em várias versões, foi mais uma vez o mote para todos manifestarem interesse em realizar uma “Maria Castanha” com material reciclável. Todo começou quando à sobremesa foi servido um “Pudim Flan” - “aqui está o corpo ideal para a nossa castanha”. O processo foi prosseguindo e resultou numa “castanha pudim” marionete para uns e para outros simplesmente “Maria Castanha”.

 

S. Martinho na comunidade educativa da freguesia de Boelhe 

S. Martinho na comunidade educativa da freguesia de Boelhe 

 

ver + “Castanha Pudim”

ver + “Ouriço Artur e o Magusto”

 

Convívio

 

Um magusto é uma festa popular, cujas formas de celebração divergem um pouco consoante as tradições regionais. Grupos de amigos e famílias juntam-se à volta de uma fogueira onde se assam castanhas para comer e os adultos provam a jeropiga, a água-pé ou o vinho novo, fazem-se brincadeiras para os mais novos, as pessoas enfarruscam-se com as cinzas e cantam-se cantigas. Tradicionalmente, os magustos realizam-se em datas festivas ou próximas ao dia de São Simão, dia de Todos-os-Santos ou dia São Martinho, traduzidos em inúmeras celebrações que ocorrem, seguramente, por todas as localidades de Portugal, Galiza (onde se chama magosto, em galego) e nas Astúrias. A nossa terra não é excepção.

A celebração do magusto está associada a uma lenda, a qual dizia que um soldado romano, mais tarde conhecido por Martinho de Tours, ao passar a cavalo por um mendigo quase nu, como não tinha nada para lhe dar, cortou a sua capa ao meio com a sua espada; estava um dia chuvoso e diz-se que, neste preciso momento, parou de chover, derivando daí a expressão: "Verão de São Martinho".

 

publicado por a nossa terra às 18:15


perfil

4 seguidores

pesquisar neste blog
 
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
18
20

26

28
29
30


links
Força Portugal!
badge
blogs SAPO