Meio de informação e divulgação, aberto à iniciativa e participação da comunidade, procurando difundir a actividade local entre 22 de Junho de 2007 a 1 de Outubro de 2013. Obrigado a todos os 75.603 leitores.

03
Fev 09

 

S. Braz

 
História
 
em Latin S. Blasius, em Catalão Blai, em Francês Blaise, em Espanhol Blas
 
Ficou famoso porque retirou de uma criança, sem nenhum instrumento um espinho que o mesmo tinha na garganta. Por isso, é considerado o padroeiro das doenças da garganta e no dia da sua festa, 3 de Fevereiro, nas cidades da Espanha e algumas do interior do Brasil, as mães levam os filhos para benzerem a garganta.
Morreu em 316, foi bispo de Sebaste, na Armênia. Quando as perseguições começaram sob o Imperador Dioclecius (284-305), Braz fugiu para uma caverna onde cuidou dos animais selvagens. Anos mais tarde, vários caçadores o encontraram e o levaram preso para o governador Agricolaus, da Capadócia, na Baixa Armênia, durante a perseguição do então Imperador Licinius Lacinianus (308-324). Braz foi torturado com ferros em brasa e depois foi decapitado.
O costume de abençoar as gargantas, no dia 3 de Fevereiro, continua até hoje e em alguns locais são usadas nas cerimónias comemorativas e velas. As velas são usadas porque a mãe do menino curado por São Braz, lhe ofereceu velas na prisão. Muitos eventos miraculosos são mencionados nos estudos sobre São Braz, sendo venerado, sobretudo, em França e Espanha.
As suas relíquias estão em Brusswick, Mainz, Lubeck, Trier e Cologne, na Alemanha; em Paray-le-Monial, na França; em Dubrovnik, na antiga Jugoslávia e em Roma, Taranto e Milão, na Itália.
Na liturgia da Igreja Católica, São Braz é mostrado com velas nas mãos e em frente a ele, uma mãe carregando uma a criança com a mão na garganta, como pedindo para a curar. Daí se originou a bênção da garganta no seu dia. Alguns interpretaram como sendo uma mãe pedindo a bênção de São Braz para a garganta do filho.
Após se tornar bispo, durante a perseguição dos cristãos recebeu uma mensagem Divina para se esconder nas colinas, como forma de escapar. Os homens que o caçavam descobriram uma caverna cercada de animais selvagens que estavam doentes. São Braz estava entre eles, sem que os animais o atacassem. Reconhecido como bispo foi levado para julgamento. No caminho de volta ele convenceu um lobo a soltar um porco que pertencia a uma camponesa. A sentença foi para que morresse vagarosamente de fome na prisão.
Existiram duas mulheres que o visitaram na prisão - a do porco que levava de uma maneira muito engenhosa comida para ele, e a do menino que levava velas. Como São Braz não parecia “definhar” de fome, o governador mandou decapitá-lo.
É considerado o padroeiro dos animais selvagens, das doenças da garganta e, junto com Santo Egídio, dos veterinários.
A bênção das gargantas é feito da seguinte forma: são abençoadas duas velas, seguras, ligeiramente abertas e comprimidas, de encontro à garganta do doente e pronunciada a bênção.  
 
A devoção em Portugal
  
A devoção a este santo é muito frequente em Portugal, sendo referência, por exemplo, à localidade de S. Brás de Alportel ou aos famosos rebuçados de menta a S. Brás.
A sua festa é celebrada no dia 3 de Fevereiro, ou tradicionalmente, no Domingo próximo desta data, como em Guilhufe e Boelhe, duas freguesias no concelho de Penafiel. Curiosamente, não são os santos padroeiros das mesmas, mas com idêntica devoção.
O caso da devoção em Boelhe é algo curioso. Relatam os “idosos” que, o culto a S. Brás é antigo apesar de, a festa propriamente dita, ter somente duas décadas. A explicação é simples e reside no facto de existir na freguesia um local ermo, denominado de monte de S. Brás, pertença da paróquia de S. Gens de Boelhe. Aqui, sob a forma de pedras de granito, estão ordenados os “alicerçares” de um velho sonho da comunidade local: a construção da “Capela a S. Brás”, cuja imagem e a relíquia do Santo, raríssima em todo o norte de Portugal e de inigualável valor, encontram-se sob o altar da igreja paroquial.
 
 
 
"Alicerçares" e vista geral do Monte de S. Brás
 
 

Cântico / Hino a S. Brás

adoptado pela paróquia de Boelhe

 

S. Brás Glorioso

Voz que na terra deixais

A vossa Santa Relíquia

Bendito sempre sejais.

 

S. Brás glorioso

Sem ter grande rebeldia

Quem vos não seguirá

Com toda a Santa alegria.

 

S. Brás glorioso

Sois o seguidor da pureza

Quem vos não seguirá

Com bastante fortaleza.

 

S. Brás glorioso

De todos adquirido

Quem vos não procurar

Não será por vós ouvido.

 

S. Brás glorioso

A tua beleza e tanta

Tu és advogado

Das doenças da garganta.

 

publicado por a nossa terra às 09:47


perfil

4 seguidores

pesquisar neste blog
 
Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
14

15
16
17
19
20
21

22
24
26
28


links
Força Portugal!
badge
blogs SAPO